20100729

Poema para ser usado em rituais pagães não lusófonos

Pão de semolina, ábaco emprestado, muita ritalina.
Não condicionado, sábado animado, ele é uma menina.
Vão do pavimento, cágado apressado, suco e vitamina.
Chão muito lustroso, álamo cortado, cachorra felina
Cachorra menina
Muita vitamina
Suco de felina
Ele é ritalina

Ele é ritalina
Ele é ritalina
Ele é ritalina
Ele é ritalina
Ele é ritalina

20100727

entrevista.

pergunta:
Quantas mulheres você já?
Resposta:
6/19

pergunta:
o que significa cada um dos números?
Resposta:
6 virgindades 19 feitas

pergunta:
e qual a sua opinião sobre isso? é um bom número? As virgens são melhores do que as "feitas"?
Resposta:
eu prefiro as virgens por causa do elo criado
elas dão mais importância a cada toque
seus suspiros são mais fundos

pergunta:
sempre?
Resposta:
sempre
elas tremem
te apertam como se tentassem agarrar o hímen

pergunta:
isso é bom?
Resposta:
aumenta a dramaticidade

pergunta:
pouco drama, pouco prazer?
Resposta:
se eu procurasse só prazer
eu me masturbaria
minha mão me conhece mais do que qualquer mulher
talvez só a Lara conheça melhor

pergunta:
Prazer não é só o orgasmo ou o gozar, enfim
estou falando de Prazer no sentido mais amplo. Você pode ter Prazer com qualquer tipo de experiência estética, não necessariamente sexual
Resposta:
então prazer é uma fórmula na qual drama é um variável chave para mim

pergunta:
Faz sentido.

pergunta:
Você se incomoda se eu publicar essa breve entrevista? Obviamente, omitindo ambos nossos nomes e afins.
Resposta:
uahsuahsu se vc me mandar como vai ficar
e eu aprovar sim

pergunta:
uai, não é difícil imaginar
Resposta:
mas só falando assim
n sei se concordo

pergunta:
Eu mudo o meu nick pra "pergunta" e o seu para "Resposta"
troco Lara por Rebeca
E acho que é só.


Resposta:
vc vê algum problema em me mandar antes de publicar?
e eu só falo sim ou não?

pergunta:
Me incomodo um pouco, porque eu não preciso pedir de verdade pra você pra publicar isso.
Não gosto de me sentir previamente censurado

Resposta:
realmente
pergunta:
Mas você pode ser o primeiro a ver e eu te dou total poder de veto.

Resposta:
então pronto

Ilustrando um ponto

20100725

como perdi minha esposa mais rápido do que bebi toda aquela vodka com açaí


chego em casa da minha sessão de footing
depois de três ou quatro
dias passados fora
e percebo (com graça e com razão)
que minha calça
tem cheiro de cocô.


20100724

O observador da crítica, parte 7.

A contrapartida ocorre no último plano, com o escritor saindo para o extracampo e indo para o beleléu. É um desfecho notável, de fusão complexa, pois o inusitado e a ironia da cena geram a perplexidade e o sorriso cínico. Rimos do nosso duplo projetado, matamos esse outro, até então nosso idêntico e esperto, agora pobre azarado boçal, que estava na tela. Um jogo perverso, o desse final, que nos coloca como covardes ou algo pior.

20100722

'Round Midnight

Quando se pensa em alguém no fundo do poço, enfrentando uma daquelas madrugadas que  parecem intermináveis e onde o sono não é opção, geralmente formam-se várias imagens: um homem em um balcão de um bar sujo, com letreiros luminosos quebrados, piscando, em meio a um pequeno aglomerado de copos de dose vazios. Ele olha pra baixo e não vê mais saída. Provavelmente vomitará no banheiro, aonde cairá, e o levarão pra fora. Ou, talvez, alguém sentado numa sarjeta, com um cigarro aceso e uma garrafa de rum. Este terá o mesmo fim.


Mas a verdade é que esses homens não existem: o fundo do poço é numa cadeira acolchoada, em frente a um monitor widescreen de última geração. E, no navegador, as abas se alternam entre pornografia e tópicos do VT, aonde dezenas de solitários riem um riso desesperado da própria desgraça.


"Solidão em grupo, nossos avós entenderiam?"

20100721

aleg(o)ria




ALEGRIA

é anagrama de

ALERGIA



20100720

F1

Deve ser um bug do Open Office
Ou o meu teclado é que deu problema
Pois tenho tido idéias boas e
Não consigo mais escrever poema.

Deve ter travado o bloco de notas
Ou então meu lápis já não tem mais ponta
Porque a única coisa que eu sabia
Era fazer prosa e já não dou conta

20100717

Instruções étnicas para fazer sua família feliz

Táu shan guezmísh, guezmísh, guezmísh;
(Burda káksan, burda pisht!)
(Burda káksan, burda pisht!)

Bu guiór mush,
Bu tutmúsh,
Bu pish-mísh,
Bu imísh...

I buda-banad, bilud madjik??
Tsc-tsc-tsc,
Psssssssssssht!...


  • Primeiro, o dedo roda na palma da mão, em movimentos giratórios e leves (uma intenção de cócega, talvez);
  • O mesmo dedo aponta, acompanhando os versos, os cantos da palma, alternando em diagonais - como marcando as pontas de um X;
  • Pega-se um dedo a cada verso, começando pelo dedão e seguindo até o anelar, fechando cada um deles em direção à palma;
  • Ao chegar no mindinho, como se por falta de alguma coisa, recita-se o verso interrogativo, talvez com uma voz bem fina e de preferência bem rápido;
  • Leva-o aos lábios para os muxoxos e então o aponta para o rosto da pessoa enquanto recita o verso final: ela deverá rir (se não, e se for uma criança, cócegas podem acompanhar sem problemas);
  • O essencial é manter o contato visual sempre que possível, uma seriedade respeitosa um pouco forçada, como se tratasse de um ritual de extrema importância mas durante o qual é difícil segurar o riso.
Pronto.
:)

20100716

el fin de mundo

y ahora todos somos...

Não havia mais o que fazer a não ser seguir em frente; todos amávamos mais agora do que nunca. E então seguimos... rumo a lá.


(um, dois, três, quatro, pegadas de urso -- dedicadas, em ambos os sentidos; no fim das contas, o olhar [gaze] era o de pegar e cutucar e esse, ah, esse não encontrou nada: só sobrou o vazio.)

20100714

Aquele clipe disse

If the marked comma is separating two complete but related sentences, replace the comma with a semicolon. If the second half of your sentence begins with "then," add "and" before "then." In this case, use a comma to separate the two groups of words.
  • Instead of: She did not create these charts, this is not her team's project.
  • Consider: She did not create these charts; this is not her team's project.
  • Instead of: She wrote up the idea, then she got a patent.
  • Consider: She wrote up the idea, and then she got a patent.

World Kombat

Um texo aparentemente comparável a J, Joyce (gatinha)

I once knew a man of nantucket. He flew out of his balls with a buckett, and made several hostages as he moved south and also eastbound. Sometimes, if you listen close enough, you can hear it, spinning and twisting like hot iron or something. I do not and will not chose to believe he or it is a curse, for I have in me the knowledge to understand that no man or woman or even dogs have the power to, all alone, create within themselves the reality of a god (or godess).

Perhaps I should be one of a broader mind, but I sincerely refuse. Much of what happens may disappear before I do it myself, but that doesn't make me less right or wrong. Just, as long as it flows, I may sing along and do my little dance. Like, this, you see? Holtza-popa, popa-woppa, etc, etc.

I kiss you.


(as in: http://iwl.me -> coisa boa de se fazer, recomendado para todos os digníssimos Cabaços!)

TUTORIAL: Como ter duas namoradas

Finalmente, o tutorial pelo qual todos esperavam!

Objetivo
Ter um relacionamento estável e aberto com duas cocotas ao mesmo tempo.


Problemáticas
Em geral, se você tem uma namorada, é difícil convencê-la a deixar você manter um relacionamento com uma segunda namorada. Na verdade, a chance de isso acontecer é tão baixa que nem vale a pena acreditar nisso, e é aí que entra esse super tutorial!

Comofas/
De preferência, comece tendo uma namorada, mas isso não é essencial. Certo, agora, como bom liferuler, saia para balaids, conheça gatas e faça uma amante oficial.

Agora, pense comigo. Se você chegar para a sua namorada e disser: "amor, conheci outra garota, agora eu tenho duas namoradas!", o resultado será ruim.
Mas se você chegar para a novata e disser: "amor, estou louco por você, mas preciso confessar: já sou comprometido!", a chance de ela estar louca por você e querer continuar como "número 2" é muito maior. Portanto, diga isso pra ela. Se ela não aceitar, repita o procedimento até dar certo.

Ok, então agora, você tem uma namorada e uma amante que sabe da existência da sua namorada. (Ou então você tem só uma namorada que acha que é sua amante e acha que você tem outra namorada.)

Pronto? Não! Até agora, você só tem uma namorada "oficial", e ela não sabe da existência da outra, de forma que tudo pode ruir facilmente.

Não dê detalhes sobre sua namorada para a amante, mas demonstre sempre o fato de que ela é a segunda. Atenda ligações da sua namorada verdadeira (ou finja que atenda), falte em compromissos etc. Ela tem que saber que vai ser a número 2. Por isso que o ideal é você começar com uma namorada.

Agora, o pulo do gato: termine seu namoro oficial.

Isso mesmo, termine e você terá apenas uma amante. Agora, como bom liferuler, saia para balaids, conheça gatas e faça outra amante oficial. E, claro, conte pra ela que já tem uma namorada e que ela é a número 2 etc. Se ela não aceitar, repita o procedimento até dar certo.

Por que esse é o melhor dos mundos?
Porque você tem duas namoradas, mas nunca vai estar com nenhuma delas. Sempre que você estiver com uma das cocotas, ela será sua amante e a outra será a namorada. Isso significa muito sexo e pouco compromisso.

Ok, tenho duas namoradas. O que eu faço agora?
Simples!

Ligue para a primeira e diga que vai sair com a segunda.

Ligue para a segunda e diga que vai sair com a primeira.

E fique em casa jogando g@mes.

20100713

Criticism's Grand Code of Ethics

Não é exagero. A aversão das pessoas às críticas é tamanha que se criou um verdadeiro código de ética que deve ser seguido à risca antes que se possa reclamar do que quer que seja. Até que se tenta disfarçar, com todo mundo anunciando aos quatro ventos estarem abertos a críticas construtivas, mas a verdade é que as pessoas estão tão abertas a críticas quanto os donos de restaurante realmente querem que você visite suas cozinhas.

Por isso, é que se criou as três fases da negação:

Quando ainda há alguma ficção de aceitação das críticas, as pessoas dizem coisas como “mas você só diz que está tudo errado, sem propor nenhuma solução!”, ou “está bem, eu admito que o comunismo tenha falhas, mas o neoliberalismo também não é perfeito, viu?”. Depois, quando esse pudor acaba, a coisa costuma desandar para o “antes de criticar, por que você não tenta fazer melhor?”.

E todas as três fases têm o mesmo problema, que é serem burras burras burras. Primeiro, a última. Cazzo, não tem coisa no mundo que eu odeie mais do que este último tipo de comentário. (Tem, mas.)

Olha, eu não sei construir usinas e lidar com a produção e gerenciamento de energia nuclear, mas isso não significa que eu tenha que coadunar com, sei lá, Chernobyl. Eu não sei programar, mas posso dizer que o GIMP é uma merda, estão entendendo?

Aí, tem essa coisa de achar que só porque eu estou criticando alguma coisa, eu estou defendendo outra. Eu posso dizer que São Paulo é uma merda sem que isso signifique que o Rio é melhor. O mundo não é booleano, porra. Aliás, eu ainda digo mais: eu posso dizer que São Paulo é uma merda (e é) e ainda gostar daqui.

E o mais importante: eu não tenho que ter uma solução. É isso mesmo que você ouviu: tudo isso é uma bosta e eu não faço a menor ideia de como poderia deixar de ser. Talvez inclusive eu ache que isso é uma bosta tão gigante que já não tem mais o que fazer. Tipo esse texto, que eu só continuo escrevendo porque agora a merda já ta feita.

E agora, o clímax: estou escrevendo tudo isso só pra dizer que eu amo o fato de a República permitir às pessoas dar um asterisco só pra esse texto sem ter que gastar nem mesmo uma palavra pra explicar por quê.

dois tentam falar (excerto da obra poética)

20100710

carta a amigos, revolta, etc

uns beijos pra quem tá distante
alô rapaz, espero que não faça frio por aí
se cuida, se cuida
que a polícia tá no teu encalço
quer o teu couro
pra fazer tamborim.

não se esquece de mim!
que a gente tem de fazer uma jam
de gente suada
rima boa
uns salgadinhos também.

acho engraçado, cara
cheio de gente morta na rua
e eu aqui coçando
cuspindo granulado na parede
esperando a hora de bater mais uma
no telefone com o chinês
amigo do pedrão
estranho demais.

cê sai na rua então
sem medo de apanhar
mutantes de narizes tubérculos
gemendo trocados pra turistas alemães
que recusam, sieg heil, o contato
chuta um na cara e sai correndo
patinete no viaduto
um bando de gente por aí
te homenageia com uma sinfonia
preço do ingresso: duzentos e cinquenta reais, sem meia entrada.

putaquepariu o novo prefeito
tem uma uzi tatuada no braço
três dentes de ouro e
um pau feito de casco de tartaruga no cu.
é um anti-cristo tão ruim que é cristão
reza três pais-nossos pra cada lei nova
e caça as moças que
dançam nuas na lua cheia
pobrezinhas, meio gordas
nem isso mais podem
poluição visual.

dinamitaram a represa
agora pobre toma banho
finalmente né, minha vizinha disse
e eu não disse nada, sou frouxo
ela nem é casada com delegado
nem nada.

fica por aí, cara
até o frio é melhor que
gente armada cantando o hino nacional
dente cerrado e língua de fora
esperando você arrotar pra estourar tua cabeça com trezentos e sessenta e [sete facadas no olho
e eu
eu vou ficando
que sou quieto
que não chamo atenção.

20100709

Tautologia russa

Na União Soviética, a União Soviética está em VOCÊ!!
Ricardinho se segurou. Aprendera a se segurar desde tempos remotos. Não queria ser grosso com Joaquina. Mas algo que jamais saberemos o fez mudar. Ricardinho engoliu um bocado de ar que vazava por suas gengivas dinâmicas. O tempo se suspendeu no ar, como um peido ou uma trovoada. Então, Ricardinho olhou bem para Joaquina para ter certeza de que entenderia suas palavras originárias de um mistérioso locus:

- Limpe sua boca, sua porca!

O precioso e breve momento seguinte a sua não-segurada, o fez, surpreendentemente, não reparar na reação de Joaquina, mas sim na construção constrangedora de sua frase que continha, deveras, dois pronomes possessivos que redundavam numa porca só. Ricardinho inaugurou, então, sua fase de justiceiro dos maus costumes.

.

20100707

se fosse papel seria um pedaço de papel (mas não é).

Agora também ele já fez alguma amizade na escola nova, as vezes até com alguma menina bonitinha da idade dele, sei lá. Quando era criança eu já achava que ele tinha assim uma coisa de galanteador, mesmo sendo todo daquele jeitinho... Bom, pelo menos ele nunca que deu trabalho nenhum pros pais, não que eu saiba e tomara Deus que isso não mudou agora. Acho que o pai pegava pesado demais com os dois, daí é claro que isso acabou caindo mais em cima dele, caçula e tudo e depois ainda tem aquele negócio com a mãe, mas aí eu lavo as mãos. Cada coisa que o povo faz, Deus que me livre! Às vezes acho que é muita falta de coração mesmo, com filho pequeno e tudo fazer um negócio desses mas também a gente nunca sabe como é que são as coisas ali nas quatro paredes, por isso que eu nem falo disso. Mas a sua prima tá aqui me botando pra fora já, não sei como consegue ficar o dia todo aqui na frente do computador, eu mesmo já estou com o olho coçando e acho melhor sair por que eu não aguento muito tempo olhando assim com a cara na tela, nem na novela não dá muito daí eu fico fazendo minhas coisas e só escuto quase.
Mas aí amanhã eu te ligo de noitinha pra gente bater um papo mais sossegado tá bom?? Deixa um beijo aí no noivo e fala que qualquer dia desses eu apareço pra ele me levar num jogo.

Um beijao e fica com Deus Linda!!!!!!!!

20100705

A professora pediu em aula para Joãozinho desenhar o planeta Terra "usando apenas uma linha só". As instruções ecoavam em sua cabeça a todo momento enquanto pensava na melhor estratégia para desenhar sua tarefa. Ele precisou "posso ir no banheiro?" e foi. Lá se masturbou mentalizando sua professora enquanto seu avental desfinhava-se em uma linha só. Enxugou-se. E voltou para a sala poucos minutos antes de bater o sinal. Teve que resolver seu desenho rapidamente o que fez a professora questionar a qualidade e empenho de sua empreitada. E foi aí que Joãozinho fundou sua retórica.
.

20100702

Seus pais já foram jovens, um dia

Não faz muito sentido quando você para pra pensar, mas é desse tipo de coisa que você só pensa quando BLAM!, já foi tudo e tá só você ali largado numa cama sem força nem pra apagar o abajur da cabeceira.

SE você tiver essa tal força, bom... Aí você não vai ter luz. Sem luz, você dorme e aí você só acorda no dia seguinte (quando tiver luz à beça).

Sua boca pode ter gosto de merda.