20090831

um estudo sobre bataille e a cultura oriental



Estômago doído

eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu e e ueue ue ue ue ue
e
vc vc vc vc vc vc vc v cvc cvc cv cv cv cvccv cvc vcc cv cv cv cv cv c

gaguejando nossa falta de coragem.

20090829

Sininho da madrugada

Sabia porque se incomodava tanto quando queria escrever de'noite. Sua máquina de escrever com carinha de safada olhava lá do fundo do quarto. Entendia bem o sentimento da governanta nas madrugadas. Era como se gozasse com fogos de artifício ainda que nas transas surdinas ou mesmo como se pintasse o rodapé com metralhadoras. Deselegância comunitária.

Amanhã é domingo, meu amor, de pernas longas e carnudas,
me olhará como uma menininha perguntando se pode.

E era madrugada, e o sótão todo vazio de escuro e de madeiras recheadas de baratas discretas. Não havia muito o que fazer além de pensar ou dormir. Quando já não pôde fazer nenhuma das coisas, o dia já pulverizava todo o pó por onde se passou e pensou fogos e metralhadoras e aquele amor todo delicadinho que se tem vergonha de dizer e só se tem vontade de tocar, em discrepânc-.

Até a noite e a inspiração chegarem. E não se poder mais escrever com gemidos ou sirenes atômicas. Pelo bom con-domínio. Ele precisava transcender os clichês, era um fato.

20090826

para se filmar com uma modelo escandinava

Joana triste, olha para baixo.
Uma mão masculina lhe oferece um cigarro. Joana olha(brava/birrenta) para o dono da mão e então abocanha a ponta do cigarro com seus dentes; olha novamente para seu dono antes de fechar os lábios em volta do filtro. A mão masculina risca um fósforo na cara de Joana e acende o cigarro. Joana dá um trago e arrota a fumaça em direção ao seu dono, que ri fora do quadro. Joana desvia seu olhar (tristonho) para o lado oposto, deixando a fumaça fina recobrir seu rosto.

20090821

se eu te pisco de mansinho...



VOCÊ CLICK ON MY FACE!



20090819

uma missão

Comecei a pensar que não podia ser verdade aquilo tudo que eu lia mas como um homem de sangue quente precisa é saber o que é bom pra tosse fui lá na casa dela e paguei pra ver, um show o jeito dela girar a bossa nova naquele quartinho atulado de tranqueiras, puta emoção - c'est vrai! mon dieu, c'est vrai!. Ficamos naquilo a noite todinha, eu e ela e mais uma galerinha, todo mundo fissurado na vitrolinha retrô com os disquinhos das mamães e titias e todo tipo de canto embolorado da parentada, mó legal como a tecnologia faz as coisas mais gostosas do mundo acontecerem.

20090817

Linguística, I

Em Portugal que o mouse é rato, que as palavras são traduzidas mais que incorporadas.
Faz sentido.

Eles foram do latim, do galego, eles fizeram um país e uma língua e, à nós, foi imposta como nos foram as pessoas do mundo todo, inclusive nós mesmos. Eles têm orgulho porque falam aquilo que eles são; eles têm uma língua só deles.

A gente tem todas.

Sobre meu prazer

- A total falta de sentir algum sentido me compele a estudar. Estudar a fim de verificar se há algum sentido para mim. O prazer é, sem dúvida, o foco de tudo, o sentido. Há muitos prazeres . O prazer de saber que a pessoa que me interessa está feliz comigo e continuará comigo. O prazer que a presença (ou o simulacro de presença) dessa pessoa me desperta: prazer da identificação. Isso já é muita coisa. Sozinho, como posso me identificar? Eu, em mim mesmo sou o mesmo. O mesmo é massante. O mesmo é repetitivo. O prazer vem sempre da diferença? Não da diferença absoluta, não da comparação com todos os casos anteriores, mas da comparação com o caso imediatamente precedente. “Assim está melhor do que agora há pouco”, é esse o prazer? - não necessariamente: o prazer vem, absolutamente, da comparação (colocando o atual ou futuro momento como melhor do que o objeto de comparação) com um caso precedente relacionado (cuja relação pode ser abstrata) ou com um caso aparentemente ou inteligivelmente possível.

- Ai, Sérgio, que chato.

E foi assim que ela começou a me deixar.

Mas que merda
olha que merda
olha só na merda essa história de que até os pensamentos imbecis
sejam artísticos.

só na merda observa-se tal formação.

20090815

De quantas (...)? [2]

Primeiro, foi Pimm's no pub e o Syd Barret me olhando com cifras pintadas no seu rosto, uma, duas jarras, entre quantos? Depois saímos na rua e já éramos apenas seis e depois só três, porque corríamos que nem bestas atrás de um banheiro. The Castle, The Wetherspoon, já que estamos aqui, por que não Malibu Cola, ou Stella Artois? E menos uns pounds, mas a essa altura, ninguém conta mais nada.

E aí pro parque, na grama que é igual, mas o céu é outro, o vinho é outro, nenhuma estrela é igual. A gente no chão, o mijo na árvore, rindo e cantando.

(Mas tem que ser em inglês, porque senão, ninguém entende.)

E, bom...

E depois voltamos e foi uma merda, porque todo mundo tava meio triste e eram 3h e os primeiros ônibus começavam a sair às 5h. No final, tudo sempre é bom, mas também é sempre pra nunca mais.

20090814

de quantas pessoas eu preciso pra chorar uma semana

não gosto do jeito que me toca.
não é, ou pelo menos não parece ser... humano, ou até mesmo vivo, de tão clínico que me traz seus dois-três dedinhos enluvados, engomados e gelados.
me afogo.
engulo meu aiaiai porque sou orgulhoso como uma tala, mas não sou capaz, jamais serei, de esconder a murchez que me ataca com os seus toques mortálicos... antes não fôsse assim - antes não era, minhas fibrinhas sorriam sanguinolentas só de ouvir o som tacundo que você fazia no corredor logo antes de entrar no quarto e era tão bom, mas não mais, não mêsmo.
eu não te engano e nem quero, mas você não liga, com seus chuveirinhos, bombinhas e relógios finos de aço - sem nem falar das alavancas e seguradores, empurradores, cortadores tão gelados e tão ardidos.

mas qualquer dia desses eu te esgano.

Bebeu e caiu! (literalmente)

Vou contar um "causo" de muita aventura, viagens interplanetárias, destruição, sexo, drogas, roquenrou e... mentira. É só mais uma dessas historinhas de adolescente que os pais costumam contar aos filhos pra alertar sobre os perigos da bebida. (talvez eu conte aos meus).

Tudo começa com... quantos caras mesmo? Não me lembro. Na verdade lembro, mas não importa. Inicia-se com caras tristes querendo afogar suas mágoas nos sonhos de embriaguez que o álcool proporciona. Desculpe... minto novamente; talvez os tais só queriam provar a si mesmo o quanto eram machos, mas eu acho que não.

No bar, ah! no bar... Primeiro, o gosto amargo da cerveja, que viria a se misturar com a cachaça com café com leite e, logo mais, com o vinho, mas calma! Vamos mais devagar, uma coisa de cada vez (rá-rá, isso não foi difícil de aprender). Estávamos bebendo, e não era por causa do gosto, aliás, a Bramah tem um gosto horrível.

Então vem chegando uma tontura, você nem percebe quando está sentado, mas quando levanta... uh! Está nas nuvens, ou no céu. Mentira, está é no inferno porque bebida é coisa do capeta, ouviu?

Não satisfeitos com a leve tontura, compramos uma garrafa de vinho (que mais parecia suco de uva), que viria a ser consumida a algumas quadras dali. Consideramos perigoso continuar no bar depois de uma viatura ter passado.

É engraçado como o álcool tem a capacidade de criar situações... engraçadas: frases sem sentido e repetidas, a libertação do "eu interior" (isso pode, muitas vezes, ser perigoso) e confissões e muitas outras coisas, é claro, e, agora opondo-se ao que eu disse, pode criar fantasias, viagens interplanetárias e gerar destruição, etc.

Foi o que aconteceu: coisas engraçadas e a queda de um tonto - desmemoriado agora - de uma escada de um shopping seguida de um hospital. Como diria Kurt Vonnegut: "coisas da vida" (só que nesse caso, sem mortes).

Eu queria tirar uma lição bem legal de tudo isso, mas... o que ficou mais claro pra mim é que não se deve misturar bebida destilada e fermentada.


Texto da Federal, de miliano atrás.

20090813

wat

wat

20090812

My hands were clenched in fists of rage

Review for "Budapeste" (Chico Buarque)

Tirado de http://hellhorror.com/books/review/36929/Budapest-.html

"This was our book club book last month (...) Our readers found the book confusing, sliding from dreams to reality and interchanging characters in the process. The plot doesn't go anywhere and neither do the characters - a frustrating combination. (...) Reading this was like watching a fringe foreign film with subtitles that jumps from place to place, character to character without any rhyme or reason. When it ends you are left scratching your head wondering if you simply 'missed something.' In this case, you didn't."

Nanoconto

"[Her boyfriend] forgave her as soon as she asked him to, regardless of all he had said to her."

20090811

a Luta Estudantil continua!!


Censo 2009

Ah, deus do céu, Jorge! Deus do céu! Ele espalhou o pé todo pela caneca e ante-sala!









Puta la merda, como dizem os mineiros! Quebrei o pescoço, não consigo respirar direito e tudo por causa dessa caralhada de....









....coisas que acontecem por aí. Mas filho-da-mãe, Jorge, não dou mais um tostão pra caridade depois dessa porcaria toda.









Hm, mas meu café até que está bem-feito! O ar de destruição e sujeira em volta de tudo aguçou a...acidez?, será que posso falar de acidez em café? Sim, posso, merda, que não respiro!









Oh, Maria! Oh, Maria! Esqueça tudo isso, esqueça, pois não há mais tempo, NÃO, NÃO PODEREMOS FUGIR, NEM CORMAN TERIA IMAGINADO UMA COSA DESSAS, NOOO, SINTO-ME AFOGADO POR UMA PAPA UMA COISA PASTOSA E GRUDENTA MELEQUENTA E NÃÃÃÃÃÃAO......









Este post foi feito como indicador da pornocracia vigente em nossa República nos últimos tempos, como atestou uma observadora.
Da zdrastvuit Rispublika Tikvi!

20090808

À Léu, grande amigo

Neste ponto, talvez eu deva sublinhar que, muito embora esteja apresentando estas várias facetas e elementos das histórias afim de que pareçam fazer sentido para mim, não há razão pela qual você deva realizar a sua história seguindo esses passos exatamente ao pé da letra. Ao invés de começar com uma idéia-base você decide que teve uma ótima idéia para uma estrutura de história e então sai atrás de uma idéia que melhor convenha à essa estrutura. O episódio de V de Vingança intitulado Vídeo, por exemplo, era uma história onde a estrutura foi concebida primeiro: seria possível contar uma história usando apenas diálogos absolutamente incidentais acontecendo num televisor?

B.- Por otra parte, la temperatura del agua es un factor extremadamente influyente en nuestros rendimientos.
D.- Es distinto nadar en agua casi congelada que nadar en agua hirviente.
A.- Si los resultados cambian según la mayor o menor temperatura del agua, antes de comenzar cualquier carrera
debe obtenerse una piscina con agua oficialmente reglamentada.
B.- Correcto, desde un punto de vista ideal. ¿Pero es posible? Si, por ejemplo, yo tengo fiebre...
D.- La temperatura del agua aumenta. Habría que prohibir corredores con fiebre.
A.- No podría prohibirse nunca que los nadadores tuvieran leves cambios en su calor interno. Yo, a la menor
emoción me enfrío..
B.- Cuando compito, mis manos arden...
D.- ¡Tendríamos que ser corredores sin vida emocional y con sangre de igual calor!
A.- ¡Lo que nos obligaría a nadar con un termómetro en el orificio anal!
B.- ¡El problema no tiene solución!

BARÃO (á parte, olhando para Cecília)
- Há de ser esta.
D. CECÍLIA (á parte) - E titia não vem... Que demora!... Não
sei que lhe diga... estou tão vexada... (O Barão tira um livro
da algibeira e folheia-o). Se eu pudesse deixá-lo... É o que vou
fazer. (Sobe).
BARÃO (fechando o livro e erguendo-se) - V. Excia. há de
desculpar-me. Recebi hoje mesmo este livro da Europa; é obra
que vai fazer revolução na ciência; nada menos que uma
monografia das gramíneas, premiadas pela Academia de
Stockholmo.
D. CECÍLIA - Sim? (À parte) Aturemo-lo, pode vir a ser meu
tio.
BARÃO - As gramíneas têm ou não têm perianto? A principio
adotou-se a negativa, posteriormente... V. Excia. talvez não
conheça é o que é o perianto..
D. CECÍLIA - Não, senhor.
BARÃO - Perianto compõe-se de duas palavras gregas: peri,
em volta, e anthos, flor.
D. CECÍLIA - O invólucro da flor.
BARÃO - Acertou. É o que vulgarmente se chama cálix. Pois as
gramíneas eram tidas... (Aparece D. Leonor ao fundo). Ah!
.

Opera panica, de Jodorowski
Lição de botãnica, de Machado
Como escrever Estórias em quadrinhos, de Moore, folheados em mise en scene.

Mise en scène não se ensina

20090807

De quantas semanas eu preciso para chorar por alguém?

De querer ter gente perto, sempre, certo, a gente vai colecionando, angariando, procurando (mais que achando), e depois... Quanto que duas, talvez três semanas podem marcar, machucar? Quanto que em tão pouco tempo as coisas se atam, se afeiçoam (não tem nada a ver com amor ou sexo, talvez nem com amizade) e mesmo que ainda frágeis e tão fáceis de quebrar, formam cacos, que cortam, sei lá.
Não é a perspectiva da saudade, não é sentir falta, também, que é como os outros só sabem dizer. É a ideia horrível dessas palavras, as mesmas que nos dão medo de morrer ou de mudar: nunca mais.
Aí é desconcerto, talvez apertar a mão, ou abraçar, ou aquilo no meio dos dois, que é o que fazem os que ainda não calcularam bem o grau de intimidade adquirido, e então voltamos para casa e estamos sozinhos e escrevemos alguma coisa acreditando sermos capazes de capturar a alma de alguém.

Destro

Dei-lhe dois sorvetes
mais um trocado
Acabou

Shark falls

Haicais são poemas,
porém não fazem sentido;
Como discoteca.

HAICAI ACHADO NO MEU CADERNO (2008)

Peguei a sua mãe
Com outro cara na cama.
A três é melhor!

Fotochute.



QUÊ?

20090803


RESENHA SVC Chaos SNK Vs. Capcom

Bem garotadinha espérta
to aqui de volta nessa jossa pra resenhar mais um bomba do mundo dos videogames:
o título de lutinha SNK Vs. Capcom (ou King of Fighters vs. Street Fighter se preferir), que não é a mesma coisa que Capcom vs. SNK, uma vez que o primeiro é um jogo da SNK com personagens da Capcom e o segundo é um joguitcho da Capcão com a negada da SNK.
Bem, eu tinha jogado a versão de arcade há um bom tempo atrás e esqueci-me completamente dela portanto só vou conseguir explanar a versão de Playstation 2(que deve ser a lesma lerda no fim das contas).
A tela de seleção de personagens é bem dividida: a galera da SNK fica do lado esquerdo e a moçada da Capcam fica do lado direito. Justo. Só um detalhe: pra escolher os personagens "secretos", v tem que fazer um truque muito complicado: segurar o botão R1... (aliás, o Zero de Megaman Zero, aquele lá do Game Boy Advance, não jogou? pois é muita gente também não, tá presente, é só segurar o R1 em cima do Ryu)
Daí começa a luta, eles falam umas merda uns pros outros ( a melhor é do Ken contra ele mesmo) e quebram o pau como num King of Fighters normal e daí pra frente é Brasil, não tem muito o que resenhar.
Por aí só fica faltando um detalhe muito importante: todos os finais são iguais!!!!
PORRA FILHA DA PUTA ARROMBADO!!! Difícil pra cacete passar do Mr. Karate cheirado ou do Shin Akuma pra ver uma porra de final igual de todo mundo?? mancada...
Mas tudo bem, no fim das contas é uma boa diversão, mas quer um bom conselho? se você quer um bom crossover volte para seu Marvel Vs. Capcom ou vá para o Capcon vs. SNK ok?

20090802